menu

Destaques

terça-feira, 14 de junho de 2016

56 [No Umbral] - Rodrigo Aragão: Um mergulho num universo de horror

Olá, caros (as) visitantes!

Exclusivamente neste mês de Junho, teremos uma dobradinha de publicações aqui No Umbral

Não teremos um conto desta vez, mas sim uma apresentação sobre o universo cinematográfico trash nacional. Se prepare, você, de estômago fraco, coração sensível e alérgico a sangue, pois nesta página teremos monstros medonhos para te acompanhar.

Eu sou Orfeu Brocco, seu anfitrião e guia!






Quando pensamos em filmes nacionais, logo nos vem à mente a imagem de filmes sobre o crime organizado em comunidades carentes, películas rodadas no nosso nordeste que contam sobre o drama da sobrevivência e seca e, por fim, temos as comédias, geralmente produções das Organizações Globo. Geralmente, mas não desta vez!



Te apresento a um cinema nacional diferente, repleto de vísceras espalhadas pelos cenários, mortos-vivos a revelia, aparições malignas e destruidoras, mulheres fatais e maníacos impiedosos.


No melhor estilo trash possível, vos apresento a Rodrigo Aragão, um simpático morador de Guarapari que traz consigo uma missão bastante importante, continuar o legado de José Mojica Marins, nosso cineasta precursor do terror brasileiro, mais conhecido pelo seu personagem Zé do Caixão.

Rodrigo é o idealizador da produtora Fábulas Negras, amante de filmes trash (escatológicos e de baixo orçamento). Trabalhou como maquiador de efeitos especiais em curtas e peças de teatro, porém com sua paixão pelos filmes se dispôs a montar sua produtora e através de seus esforços e de seus amigos nasceu um universo cinematográfico interessantíssimo.

Em 2008, lançou seu primeiro longa-metragem chamado Mangue Negro. O filme conta sobre a poluição nos mangues do Espírito Santo que atinge níveis alarmantes e ameaça, além da natureza em si, a sobrevivência da população pobre da região. Eis que, misteriosamente, durante uma pesca, dois homens são atacados por um morto-vivo, trazendo à região um rastro de contaminação e morte, com perseguições de tirar o fôlego, uma bela fotografia, trilha sonora composta especialmente para o filme e o que se espera de um filme de zumbis: carnificina!


Mas o trunfo deste filme não se resume a isso. Além de construir uma crítica social, temos elementos raramente explorados nesses tipos de filme, como a possibilidade de uma cura para a contaminação e elementos da cultura local, neste caso os manguezais do Espírito Santo com destaque para a culinária do estado. Mangue Negro merecia um post especial, mas precisamos continuar a conhecer este cineasta.

O filme retratado acima abriu caminho para uma nova safra de filmes nacionais independentes que antes passavam despercebidos, chamando a atenção do mundo e dos brasileiros para nossas produções. Atualmente, podemos ver uma avalanche de investimento no terror nacional através dos livros de terror em alta, filmes como "O estripador da Rua Augusta" de Felipe M. Guerra e Geisla Fernandes, "Condado Macabro" de André de Campos Mello e Marcos DeBrito e até mesmo a nova série de terror da Rede Globo, Supermax, devem seu desenvolvimento ao trabalho pioneiro deste cineasta em recobrar a moral do cinema nacional de terror.

Quem viveu a infância nos 90 (como este que vos fala), irá se lembrar de acontecimentos insólitos e macabros que foram anunciados pela imprensa brasileira desta época: podemos relembrar o caso do ET de Varginha e os ataques atribuídos ao chupacabras em fazendas do interior que foram noticiados em todo Brasil. Eis que em 2011, numa nova película a história do chupacabras é contada sobre um novo ponto de vista em "A noite do Chupacabras", aqui vemos um diretor amadurecido, com uma produção também muito boa e com recursos a mais que em Mangue Negro. O enredo é simples e devastador!


Um médico, junto de sua noiva, retorna para seu local de criação no interior do Espírito Santo e lá em meio a tensões entre duas famílias por conta de problemas passados e demarcações de terra, onde todo conflito pode ser (e se torna) o estopim de uma guerra, existe uma figura rastejante a atacar a todos imparcialmente, eviscerando e perseguindo sem nenhuma piedade, como um carrasco a punir os pecados. Contar mais seria desnecessário, porém posso garantir que há a aparição de um personagem das lendas brasileiras (o Homem do Saco) de uma maneira que ninguém jamais sequer sonhou. Eu mesmo fiquei com medo, é uma das partes mais tensas do filme.

O que é pior? A cobiça da natureza humana ou o ataque irracional e destruidor de uma força da natureza? Fica a dúvida (e a dica).


Próxima parada: Mar Negro (2013), novamente a poluição e devastação ambiental continua a trazer monstros à tona (este tema é bastante explorado, segundo o diretor é uma crítica direta a exploração irresponsável de petróleo e a corrupção), mas desta vez a ação se passa em meio a noite de inauguração do Sururu's Club, uma "casa de tolerância" (bordel, cabaré, enfim) administrada pela Madame Ursula (uma das personagens mais caricatas e surpreendentes do filme).

Como a fauna marinha está contaminada, as pessoas que experimentam petiscos vão passando por uma transformação tenebrosa um a um em mortos-vivos, mas o filme não se resume apenas a estes monstros: temos a presença de vários tipos de monstros diferentes, o interessante é ver aqui a presença de personagens dos filmes anteriores criando uma relação entre os filmes e formando o universo da companhia Fábulas Negras. Este filme lembra bastante um pouco do estilo de Quentin Tarantino e Robert Rodriguez em alguns aspectos, como tiradas engraçadas, uso da violência extrema como crítica e planos de fundo (o cabaré) neste caso bem incomuns.


Nossa última parada reúne, além de Rodrigo Aragão, outros diretores de horror brasileiro, como Petter Baiestorff, Joel Caetano, José Mojica Marins, em uma antologia de tirar o fôlego: Fábulas Negras, um banho de sangue no folclore brasileiro! 

O filme gira em torno de quatro crianças que, enquanto brincam numa mata próxima de casa, contam histórias (segundo eles supostamente verídicas). Cada uma dessas histórias é dirigida por um dos diretores e aborda uma criatura diferente.




Todos estes filmes aqui apresentados mostram um aspecto ainda tão pouco inexplorado e tomado de preconceitos pela maioria dos brasileiros. Muitos que reclamam "só tem filme de favela e comédia" nunca tentaram procurar por filmes de outros gêneros nacionais e relegaram talentos como Mojica ao segundo plano, preferindo filmes estrangeiros tomados de efeitos especiais e enredos repetitivos.

Aqui deixo um questionamento: por que renegar o que é nosso se podemos também dar uma chance às produções nacionais, como os filmes acima que correm o mundo em festivais arrancando elogios (e prêmios por seu desenvolvimento) e fazer com que cresçam os recursos de nosso cinema?

Felizmente, o cinema independente tem conquistado fãs também no Brasil e assim o horror continuará, adquirindo novas nuances, explorando nossa cultura, que muitos às vezes julgam inexistente por abrirem seus olhos somente às mazelas.


Obrigado por me acompanharem até aqui!

Cuidado com o caminho de volta ao Umbral!


Orfeu Brocco nasceu em Uberlândia - MG em 1988, casado, atualmente vive em São Paulo. Como autor, suas obras lançadas até o momento são; "Criações Sombrias" (2014) e "Jardins Dolorosos da Babilônia (ou versos ácidos para meu amor, se você preferir)" (2014), além do livro infantil "Hélio e o menino gota" (2015), lançado pela Editora Miranda. Atualmente, desenvolve mais livros e HQs junto dos amigos.

CONTATO: broccoluiz@bol.com.br





PROMOÇÕES ATIVAS:
 


56 comentários:

  1. Às próprias empresas nacionais tem preconceito com obras feitas aqui,podemos ver isso quando o cinema nacional lança vários filmes e nem sequer se dão ao trabalho de divulgar, com isso,infelizmente ficamos sem conhecer várias obras que valem super a pena.

    Parabens pelo texto

    http://curaleitura.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  2. Oi Renata, obrigado por comentar, recentemente (hoje mesmo) vi sobre a Netflix querendo investir no cinema nacional!
    Espero mesmo isso, quem sabe aí aumentem mais as possibilidades de nosso cinema, infelizmente dependendo de apoio estrangeiro para ser conhecido.

    ResponderExcluir
  3. Oie, tudo bem?

    Certo, não sou fã de terror. Tenho sérios problemas com o cinema nacional, talvez por ter feito algumas cadeiras de Cinema, quando estava na faculdade. Entretanto, aplaudo de pé a luta e a garra de quem mesmo sabendo que chatos como eu são a maioria e continuam produzindo filmes brasileiros.

    Grande iniciativa, já indiquei o post para o pessoal de comunicação da UFF, em Niterói - RJ.

    Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bel!Tudo ótimo e você?
      A tendência geral a respeito do cinema brasileiro ainda há de mudar!
      Muito obrigado pela indicação, volte sempre !

      Excluir
  4. Virei fã do Rodrigo Aragão e sua trupe.Liguei a tv e quando coloco no canal "Space",criaturas saem do lamaçal no mangue,aquilo me chamou atenção e logo procurei informações sobre outros filmes do mesmo diretor,foi quando encontrei as fábulas negras.É difícil dizer um filme favorito,todos tem passagens fenomenais e os monstro são todos incríveis,lobisomem,saci,homem do saco,zumbis,loira do banheiro,demonios,(só faltou o curupira e que fique aqui como uma dica,rsrs.)enfim tudo voltado a cultura brasileira e enriquecendo as lendas que conhecemos desde criança.
    Devemos agradecer a todos os envolvidos em especial o Rodrigo,obrigado por trazer entretenimento de qualidade e fora da mesmice do cinema nacional,não podemos viver apenas de filmes de comédia,tráfico,política e polícia.Aguardo os próximos lançamentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diego um certo diretor me contou que o Curupira aparecerá no Fábulas Negras Volume 2, mas por ele está produzindo Mata Negra.

      Excluir
  5. Olá,

    Gostei muito desse post, com certeza o filmes brasileiros deixam a desejar quando só esboçam ações de crime organizado, não que eu os culpe afinal essa tem sido nossa realidade a uns bons anos, mas como amante de filmes de terror que sou, adoro a inserção de elementos sobrenaturais e por isso simplesmente adorei esse post. O Rodrigo Aragão com certeza é um herói em todo esse cenário.

    Abraços
    colecoes-literarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viviane fico feliz que tenha gostado, obrigado por lê-lo.
      Bem fique atenta haverão mais publicações sobre filmes brasileiros de terror.
      Sem mencionar que o próximo post é um conto passado em Recife!
      Retribuí a sua visita e dei um pulo no seu blog, acabei por perceber que já tinha estado lá antes !Parabéns por seu trabalho!

      Excluir
    2. Viviane fico feliz que tenha gostado, obrigado por lê-lo.
      Bem fique atenta haverão mais publicações sobre filmes brasileiros de terror.
      Sem mencionar que o próximo post é um conto passado em Recife!
      Retribuí a sua visita e dei um pulo no seu blog, acabei por perceber que já tinha estado lá antes !Parabéns por seu trabalho!

      Excluir
  6. Oi, Nuccia
    Adorei o post. Realmente existe um preconceito com o cinema nacional. O que acontece é que aqui no Brasil muitos filmes realmente não são bons, e nos EUA por exemplo também em alguns que não são bons. É tudo uma questão de gosto mesmo.
    Não conhecia muito o Rodrigo, nunca me ligo em direção e essas coisas. Mas que bom que você nos apresentou ele.
    Só uma coisa que o Brasil peca em filmes são nos efeitos especiais, vamos ser sinceras..rs Mas amo nossa cultura e o que ela tem para mostrar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lê! Obrigada! Mas só pra deixar claro, o texto (lindo de morrer) é de autoria do colaborador e autor (de terror e textos góticos, diga-se de passagem) (além de poeta) Orfeu Brocco! Quanto aos efeitos especiais... eu já acho que os nossos não são iguais aos de Hollywood justamente por falta de apoio financeiro do governo ou da grande indústria cinematográfica. Um pouco mais de investimento e a gente ia longe (em qualquer área, né!). beijo!!!!

      Excluir
  7. Olá!!
    Eu morri de medo só de olhar as imagens, tenho muito medo desses filmes. Nada contra a filmes nacionais, tem alguns que acho muito bons e recomendaria.
    Beijos lindona.

    meumundosecreto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vanessa tudo depende do gosto não?E do filme!
      Abraço

      Excluir
  8. Oi, confesso que morri de medo dessas fotos e imagens e não assistiria esses filmes, pois tenho pavor de filmes de terror ou coisa do tipo, mas adorei a postagem, mas dessa vez, deixo passar a dica, por motivos de ser muito medrosa mesmo,kkkkkkk.
    bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou mesmo não sendo parte de seu cotidiano gostar de terror.
      Abraço!

      Excluir
  9. Para tudo, não conhecia, mas já gostei. Não sabia de nenhuma dessas produções, mas quando li carnificina, já me interessou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, tem muito mais filme nacional de terror, dê uma olhada no youtube, vai adorar o resultado!
      Sugestão: procure o trailer de O diário de um exorcista!

      Excluir
  10. Oie Nuccia tudo bem?
    Post muito bacana onde vc levanta a questão de preconceito para com as produções nacionais assim como acontece com a literatura. Infelizmente nossos talentos ainda são muito hostilizados e aparecem pouco devido a falta de incentivo financeiro principalmente.
    Bom saber que mesmo com todas as dificuldades as pessoas não desistem.
    Confesso que não conhecia essa produção mas pelo seu post pude perceber que vem coisa boa por aí... fiquei boba com os efeitos especiais!! Nossa!! Uma perfeição.
    Parabéns a todos os envolvidos!
    Bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Thaís, pouco a pouco as reações das pessoas diante de diferentes manifestações culturais nacionais vão mudando, basta mais divulgação!
      Volte sempre !
      Abraços!

      Excluir
  11. Oie Nuccia tudo bem?
    Post muito bacana onde vc levanta a questão de preconceito para com as produções nacionais assim como acontece com a literatura. Infelizmente nossos talentos ainda são muito hostilizados e aparecem pouco devido a falta de incentivo financeiro principalmente.
    Bom saber que mesmo com todas as dificuldades as pessoas não desistem.
    Confesso que não conhecia essa produção mas pelo seu post pude perceber que vem coisa boa por aí... fiquei boba com os efeitos especiais!! Nossa!! Uma perfeição.
    Parabéns a todos os envolvidos!
    Bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que curtiu! Tem bastante coisa boa, só procurar ;)
      Abraços!

      Excluir
  12. Nu me dê um abraço depois dessa postagem, realmente fazia tempo que não via algo relacionado ao horror e me surpreendi bastante.
    Raramente gosto de ler ou assistir coisas que tenham zumbis, mas procuro sempre que possuem espíritos coisas que possam nos dar sustos fortes e que não nos deixam dormir a noite hauahuaha amei a postagem!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Morgana se você assistir Fábulas Negras então vai curtir bastante ! Certeza, você pode comprar os DVDs através do próprio diretor no Face, ele ainda faz esculturas dos monstros e envia !
      Que bom que gostou fico feliz, um grande abraço!

      Excluir
  13. Boa Noite. Sou fã do Rodrigo e de Terror. Fizemos nosso Curta - RUA 36 - sem orçamento. Foi nosso primeiro Filme Fomos Selecionados pra o 19 Festival de cinema de Tiradentes e de Cabo-frio 2106. Parabéns a todos que apoiam o Terror Nacional!!!
    Obrigado. Hermes Botti

    http://www.universoproducao.com.br/mostratiradentes/2016/filme-detalhe.php?menu=fil&cat=Longas&CodFilme=18533
    http://bocadoinferno.com.br/cinema/2016/01/curta-rua-36-fara-sua-pre-estreia-na-mostra-de-cinema-de-tiradentes/
    http://www.imdb.com/title/tt4800898/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hermes !Como vai ?Ótimo saber de sua produção, quero assistir e fazer uma resenha sobre.
      Também virei fã do Rodrigo e como podemos ver a influência do diretor chegou até você, suponho.
      Me contate no Facebook para podermos conversar, abraços !

      Excluir
  14. Olá!
    Eu adoro filmes Trash e foi justamente no Space que assisti "Mar Negro". Mas confesso que não gostei muito do filme não, até certo ponto ele estava legal, depois desandou e eu só queria que acabasse logo.
    Eu ainda não vi os outros filmes citados, mas fiquei curiosa, principalmente em relação a Fábulas Negras, parece bem interessante!
    Já anotei a dica e pretendo vê-lo quando puder.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto de Mar Negro também, mas também acho que fica um pouco confuso.
      Apesar disso tem momentos brilhantes o filme!
      Quando assistir Fábulas Negras conte pra gente o que achou!
      Abraços!

      Excluir
  15. Olá tudo bem, muito interessante que o cinema brasileiro esteja se destacando com esse tipo de gênero, particularmente eu gosto e assisto, zumbis e filmes mais sanguináreos, portanto o incentivo desse artista é muito válido, gostei de saber. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mangue negro é uma ótima pedida, tem no youtube!
      Obrigado por ler meu artigo, volte mais vezes!
      Beijos!

      Excluir
  16. Parabéns por esse post! Uau! Quanta qualidade na opinião e criticidade sobre o cinema do horror nacional. Eu me senti envergonhada, porque não conheço os filmes citados e tampouco o assunto com tanta profundidade. E olha que gosto de um bom horror (rs). Não acho que me envolveria muito com as cenas "trash", mas não posso negar que me bateu uma imensa curiosidade! Haha.

    Beijos!
    www.myqueenside.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico lisonjeado com suas palavras, muito obrigado.
      Tome cuidado Francine, pq o gosto pelo trash começa aos poucos e quando a gente vê, já foi fisgado !
      Visitarei o My Queen Side, pode deixar !Volte mais vezes !

      Excluir
  17. Ótimo post. Pra ser sincera, filmes de terror não me atraem, porém amo de paixão alguns filmes nacionais e deveriam ser mais "conhecidos", já que a nossa própria mídia não faz tanta divulgação deles.

    http://blog-myselfhere.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bárbara, como vai ? Obrigado pela visita e pelo comentário.
      Curti bastante seu blog !
      Abraços!

      Excluir
  18. Olá Nuccia e Orfeu!
    Como sempre essa coluna arrasando, e eu lembro dos tios Chupa cabra e ET de varginha!! hahahah...
    Eu via muitos filmes nacionais trashs do zé do caixão quando era mais novinha, eram pura diversão, nada de assustador.
    Mas esses do Rodrigo Aragão parecem ser fodásticos!
    Misturar problemas ambientais com terror ficou fod%$!
    Amei, não conhecia, mas vou caçar para conhecer, infelizmente aqui pra achar livros e filmes nacionais temos que recorrer a internet, pois divulgação nas midias televisivas e afins é chula, só mostram coisa fabricada made USA!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  19. Nem consegui ver a postagem inteira porque meu estômago é fraco e embrulhou rapidinho. Só de ter sangue já não suporto, vísceras e mortos-vivos então, nem se fala. Uma vez estava no Festival de Cinema de Tiradentes, saindo de uma oficina, e dei de cara com o Mojica (caracterizado de Zé do Caixão e com aquelas unhas que não tem nem explicação). Enquanto meus coleguinhas o cercaram, eu saí correndo, correndo mesmo, e só parei depois de vários quarteirões... rs... Mas isso só é sinal de que o trabalho dele é realmente bom, tenho horror da pessoa, mas tenho certeza de que fãs do gênero que nunca viram nada dele vão se arrepender muito por não ter dado atenção a ele antes.

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mojica é cultuadíssimo no exterior onde é conhecido por Coffin Joe, o Brasil só reconhecerá de verdade o trabalho dele, só depois de sua morte.
      Mas ainda assim ele será lembrado pelo pioneirismo e ousadia.
      Historinha pessoal de meu encontro com Mojica: uma vez voltando de um festival junto de um amigo fomos abordados por Mojica que foi muito legal e nos levou para conhecer seu escritório e ficamos conversando sobre filmes de terror e histórias, além de tomar café da manhã ,o que foi ótimo estavamos arados de fome. Hehe! Mojica é muito gente boa !

      Excluir
  20. Eu queria muito, mas não consigo gostar nada desse tipo de universo. Não combina muito com o que eu gosto.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Débora Costa, há vários tipos de temáticas dentro do horror, talvez não tenha encontrado uma que te agrade ainda, se o seu problema é com escatologia (sangue e afins) experimente os filmes de terror psicológico, por exemplo Os Pássaros de Alfred Hitchcock, Psicose, entre outros.
      Grande abraço!

      Excluir
  21. Não foi nenhuma surpresa ver que esses filmes foram sucesso no Japão! hahaha
    E concordo totalmente contigo, brasileiro adora reclamar da parte cultural do Brasil e parte logo para o estrangeiro sem nem ao menos pesquisar, procurar um trabalho diferente e não tão conhecido. É por causa disso que muitos dos nossos trabalhos se perdem e não ganham destaque mundial: porque nós mesmos, brasileiros, não damos valor e reconhecimento.

    Com certeza vou ver um dos filmes indicados, só acho que vou dispensar o do chupacabra que tornou boa parte da minha infância apavorante (eu não conseguia tomar banho sozinha de tanto medo que tinha do chupacabra me pegar - coisas de crianças com mentes férteis demais).

    Um Metro e Meio de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Atualmente o interesse por produções nacionais tem aumentado, isso é muito bom!
      Barbara, não dispensa o chupacabras não!!!!!!!!! É um dos melhores !!!!!
      Obrigado por ler o artigo, grande abraço!

      Excluir
  22. Olá! Não conhecia os filmes citados e me envergonhei por ser tão leiga no assunto. Ainda mais, depois da sua opinião com a crítica de tamanha qualidade que você fez!
    Parabéns pelo post.

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Milena o importante mesmo é conhecer e se aventurar, muito obrigado fico lisonjeado pelo seu comentário, volte sempre !!!!
      Beijão!

      Excluir
  23. ah, o cinema de horror nacional é muito bem representado por Rodrigo Aragão. Mangue negro foi um dos melhores filmes nacionais que já vi, e como amo terror, ne? hjahahah
    O do chupa cabras até hoje não tive oportunidade de ver... cara, amei essa postagem. Demais mesmo *--*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Maria Valéria ! É uma satisfação escrever e ter este retorno!
      Corre no youtube, o filme do chupacabras tá por lá !
      Abração!

      Excluir
  24. Oie
    nossa, não conheço nenhum filme mas curto o gênero então vou anotar a dica e pesquisar mais pois me senti bem desinformada hahaha belo post

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  25. Olá.
    Estou enjoado das comédias nacionais, dos filmes de bandidagem e etc. Esse nunca ouvi falar, mas gostei. Acho que devo assisti-lo. Sua opinião sobre está ótima, parabéns!
    Segue o Instagram do blog: @clicheimperial
    Abraços

    ResponderExcluir
  26. Olá, tudo bem?
    Que postagem incrível, eu adorei! Adorei saber que é nacional, bom, gosto do gênero - incluvise estou tentando assistir uma série que representa mais a respeito sobre os universos de zumbis, e tals, que é The Walking Dead, mas outras do gênero eu costumo assistir Supernatural, que é bem bacana -. Ahhh, supermax! Já quero :DD

    Abs,
    Luan | www.entreutopias.com

    ResponderExcluir
  27. Oi, tudo bem?
    Seu texto escancarou para mim o quanto eu conheço pouco do cinema nacional. Esse estilo não é muito o meu, mas é bom conhecer e variar um pouco.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  28. Eu sou uma das pessoas que fala: só tem filmes de comédia Zorra total. Eu sei que é muito generalizante. Vergonha minha. Adorei conhecer um pouco mais do que é produzido aqui. De agora pra frente vou procurar outras referências, prometo.

    ResponderExcluir
  29. Oi Nuccia, sua linda, tudo bem?
    Confesso que não gosto muito desse gênero, essas fotos me arrepiaram, não por medo, mas porque são difíceis de olhar, risos...
    Mas preciso lhe dar os parabéns!!! Sua postagem ficou show!!! Super informativa, não tinha o menor conhecimento.
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  30. Oie, tudo bem? UAU QUE MEDO!! Fiquei arrepiada com o post e as imagens, claramente não é um gênero pra mim, mas achei a postagem muito completa e interessante.

    ResponderExcluir
  31. Oi!!
    Antes eu não lia nada de terror e suspense muito pouco, mas agora estou lendo cada vez mais esse gênero e tem tanta coisa boa para ler. Filmes de terror eu até assisto, mas em casa e de dia, nada no cinema, como a gente diz aqui no Sul, 'O medo não é como a coragem' aahahaha.
    Eu adorei o post e poder conhecer um pouco sobre essa realização, eu até que adoraria assistir, as imagens já dão medo.
    Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Liziane, tem bastante coisa bacana, basta dar uma garimpada na net que se encontra.
      Fico feliz que tenha gostado, volte sempre!
      Ah sim, existe um filme de terror gravado no Sul chamado Porto dos Mortos, procura no youtube o trailer, é bem bacana!
      Abraços !

      Excluir
    2. Ps: Na verdade existe muito mais do que o Porto dos Mortos, a cena do Sul é ótima !
      Abraço para todos os sulistas !

      Excluir
  32. Olá!
    Apesar de gostar muito, confesso que me surpreendeu porque nem sempre o nacional é aceito.

    Oxente, Leitora!

    ResponderExcluir
  33. Estou Surpresa! Fiquei ainda mais encantada pelo fato de envolver criaturas do nosso folclore, deu um charme a mais para a historia. Adorei!
    Ótima postagem
    Ni
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir

Seja legal: aumente nosso ego deixando seu comentário!
Mas, ei! Cuidado aí! Sem comentários ofensivos!
Um imenso obrigado de todos nós!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...