quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

10 Resenha dupla [conto] - Folia Mortal, de Priscila Ferreira

Olá, leitores!

Decidimos hoje trazer uma resenha de conto nacional. Mas não qualquer resenha!

Primeiro, é uma resenha DUPLA: será narrada por mim, a louca (em roxinho), e pelo Gustavo, nosso resenhista (em verdinho).

Segundo que é um conto de suspense policial escrito pela nossa bela parceira e colaboradora Priscila Ferreira!

Vem conosco saber de tudo sobre o conto Folia Mortal, lançado em versão digital pela Editora Essência Literária!!


Folia Mortal
Festas Mortais - vol. 1
Autora: Priscila Ferreira
Editora: Essência Literária
Gênero: conto / policial
Ano: 2016


*Obra cedida pela AUTORA no formato digital para resenha referente a parceria 2016. 
As opiniões são exclusivamente nossas. Não houve nenhum tipo de intervenção em nossos comentários.*


Sinopse:
Henrique Lovatto é um homem apaixonado. Bobo. Um dos seus maiores prazeres é conceder todos os desejos de sua amada, quando encontra algum tempo livre. Afinal, quando você é o delegado de homicídios da cidade, sua função caminha com você 24 horas por dia, sete dias por semana. Por isso, render-se aos apelos de sua esposa e ir a um simples baile de carnaval pode não ser tão divertido assim. Ainda mais quando, no baile, recebe um pedido de socorro de alguém da mais alta cúpula social. E, acima de tudo, um pedido de pai.  Marianne, a filha do mais importante empresário da cidade, a mesma garotinha que Henrique embalava na infância, estava desaparecida. Não havia nenhuma chance de não se envolver, era pessoal. Em questão de minutos Henrique adentra um perigoso labirinto e, com a ajuda do seu melhor amigo, o Investigador Hércules Bandeira, trabalha contra o tempo para descobrir a saída. Mas nem todos chegarão com vida ao final.  




Eu sou apaixonada por literatura policial. Passo o livro inteiro tentando descobrir a identidade do assassino ou do sequestrador ou seja lá quem foi que fez o quê. Meu negócio é provar para o autor, por A + B, que ele não manja tão bem assim dos paranauê. E, diga-se de passagem, gosto muito mais quando estou errada!

Folia Mortal nos apresenta uma breve história na vida de Henrique Lovatto, um delegado de Recife, casado há quase dez anos. Lovatto e sua esposa estão no meio da muvuca de um baile carnavalesco matutino, acontecendo em um clube gigantesco na Marina da cidade.



Lovatto detesta multidões, preferia mesmo estar em casa, trabalhando nas pilhas de casos a resolver, mas como também foi convidado para ser (e declinou o convite) Secretário de Segurança precisava "socializar". Com contatos no meio social de status quo elevado, recebeu os convites para o baile no clube do Sr. Wladimir,  empresário famoso e futuro candidato a governador. Então, lá estava ele, cumprindo seu papel ao mesmo tempo em que agradava sua esposa. Só que...


"'Mari, te espero no Náutico às 11h, vou levar a Taurus. estarei de Pierrô.' - Pergunto-me quais são os planos deles e por que envolvem uma arma."

Problemas parecem brotar perto do delegado. Wladimir acaba confessando que sua filha, Marianne Schneider, está com problemas. Além do alto consumo de drogas, ela marcou de se encontrar às escondidas com um desconhecido armado. No clube. No meio da festa de carnaval.

Enquanto Lovatto e a equipe de segurança de sua confiança tentam encontrar Marianne sem alardear muito, observando imagens nas câmeras de segurança, uma imagem aterradora surge. Há uma moça morta em uma embarcação no porto do clube.

Narrado em primeira pessoa, este conto nos traz um pequeno e intenso fragmento da historia de Henrique Lovatto, delegado da capital de Recife. E ele descobre o que há de podre em meio à alta sociedade da pior forma possível; o inimigo estava mais perto do que ele poderia imaginar.

Neste singelo conto, você, prezado leitor, encontrará uma trama simples, composto de apenas um grande plot twist. Uma estrutura comum aos livros policiais, no entanto sem tantos detalhes, este se atem mais à própria trama. 

Passando rapidinho na análise da edição. A Editora caprichou na edição digital, deixando o e-book com uma boa fonte, sem que eu precisasse ajustar no kindle. Cada capítulo tem uma máscara de carnaval igual à da capa. Margens justificadas, poucos erros de revisão.

Sobre a capa, eu achei que até combinava um pouco com o enredo, já que se passa em época de carnaval. Talvez se tivesse o toque "mortal" que o título sugere, mas daí acho que seria óbvio demais, perderia a função de capa que é simbolizar. Descrição #pracegover: a capa é formada de uma única imagem, tendo uma máscara de carnaval ocupando a maior parte da capa. A máscara é dourada, com pequenos arabescos em glitter dourado e destaques nos olhos em glitter roxo. Está repousada sob um tecido que tende do azul ao roxo, cercada de confetes e serpentina nos mesmos tons. O título está em fonte branca rebuscada na porção superior.

A capa não me agradou, não combinou muito bem com o livro... Ao menos esta foi a minha impressão. Não que a arte não esteja boa, só não sei se tem muito a ver com o livro.

E agora, vamos ao texto... Como eu já estou acostumada com livros policiais intensos, a narrativa me agradou. Apesar de ser um conto, ou seja, um pouco mais curto do que um livro completo, mas não tão curto quanto contos de antologias, eu consegui me conectar com os personagens e ser levada pelo suspense da história.


"O barco é pequeno, mas luxuoso. (...) Contorno a proteção do leme e por muito pouco não piso no braço estirado no chão. É Marianne."

A autora, aparentemente, não quis errar a mão em seu texto, no entanto ela não arriscou. Outra coisa a ser notada; ela não me parece ter criado voz própria (não é ruim isso nos primeiros livros), mas vale o lembrete.


A escrita é formal, cuidadosa e sem erros de gramática ou português. Os "que's" cujo tanto falo, não existem no texto, ao menos não os percebi. No entanto, enquanto eu iniciava a leitura; não senti emoção ou empatia pelos personagens, um pouco no decorrer da leitura, mas não muito. Talvez isto se dê por causa da escrita um pouco formal demais para uma narrativa em primeira pessoa na atualidade.

Não houve grandes passagens de tempo e deu para acompanhar as investigações e pesquisas sem tropeçar muito, mesmo elas acontecendo um pouco rápido demais (mas, ok, é um conto). Gostei das descrições de cenário e das notas explicativas de rodapé (que surgiram para explicar alguns regionalismos), de como os personagens foram criados e citados.

A ambientação foi boa, mas senti falta de alguns detalhes, talvez mais imersão.

Em resumo; uma leitura fluída, agradável e não ofende a inteligência do leitor. Tem seus defeitos, mas está tudo muito bom. Com base nisso, vamos às notas!

Voz do escritor: 6,0
Roteiro: 9,0
Ambientação: 7,0
Coerência: 9,0
Diagramação: 8,0
Capa: 6,0 (Ilustração, Título, montagem da sinopse e primeiras impressões).

Levando em consideração os mesmos pesos para todos os critérios acima listados a nota final é: 7,5!!!

Particularmente, eu preferia que esse conto fosse um livro, pois a história é instigante o suficiente para isso. Achei só um pouco exagerado o fato do delegado conhecer gente importante demais, mas parando pra pensar, cara, ele é O DE-LE-GA-DO, né?

O clima de suspense e tensão está lá, eu só captei quem poderia ser o culpado já quase no fim. Então, eu recomendo, claro, óbvio, pra quem curte literatura policial, quem gosta de suspense e ação na medida certa.





Eu me despeço aqui, agradecendo a Pri e a Editora EL pela oportunidade de ler um trabalho bacana!

Boa leitura!

Até + ver!






Nuccia De Cicco é bióloga, Doutora em Bioquímica, escritora, poetisa, bailarina e blogueira. Carioca de paixão de Santa Teresa, é apaixonada por livros, seriados, tatuagens e lambidas caninas, além de ter uma queda saudável por cafajestes. Surda desde os 27 anos, é co-autora em nove antologias e publicou o livro “Pérolas da minha surdez”, uma obra sobre luta e força de vontade. Todas as suas facetas são mostradas no blog “As 1001 Nuccias”. Nele, a literatura impera!



FACEBOOK | FANPAGE | TWITTER | 
INSTAGRAM | WATTPAD | SKOOB | 



Muito bem pessoal! 

Espero que leiam, prestigiem e aprendam a como escrever com a Priscila!


Abraços randômicos e até a próxima resenha!




Gustavo Vegas, o Randômico
Autor, blogueiro, gestor comercial


10 comentários:

  1. Bem, foi interessante acompanhar a resenha dos dois. Eu gosto de romance, suspense policial e contos e pelo que percebi agradou aos dois. As ressalvas só me deixaram com vontade de ler rs
    Eu gosto muito quando consigo identificar o culpado logo e muito mais qdo no finalzinho. rs

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Adorei a resenha, não costumo ler muitos livros nesse estilo, mas pretendo ler mais esse gênero esse ano!
    Dica anotada (:
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Nu, tudo bem?
    Nossa adorei a ideia da resenha coletiva rs... eu já fiz uma vez e foi bem legal, pretendo fazer isso mais vezes. Eu adoro um suspense e esse apesar de ter me instigado, eu ainda não me sinto com vontade de ler... por se tratar de conto sempre fico com um pé atrás rs. Sempre me dou bem com contos de terror, desses eu gosto de ler. E apesar das ressalvas citadas, acredito que se o conto virasse livro completinho eu me arriscaria. Xero!

    ResponderExcluir
  4. Que bela resenha!! Eu adoro ver os pontos de vistas de diferentes pessoas sobre uma mesma obra! É incrível perceber a maneira como cada um escreve e se expressa deia te um de um mesmo livro. A história me chamou muito a atenção, pois adoro romance policial (Agatha Christie que o diga) e dá pra perceber que esse é um ótimo conto do gênero. Com uma trama legal e muito suspense, esse conto vai entrar para a minha lista de desejados sem dúvida. Nunca li nada da autora e tenho certeza que essa é uma boa obra pra conhecer a escrita da mesma. Muito boa essa resenha dupla! Parabéns! Beijos do Wes ^^

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?

    Primeiramente, devo ressaltar que adorei a resenha sendo escrita de forma dupla, muito bacana ter uma dupla noção da obra analisada. Eu conheci a autora em um evento que participei e fiquei muito curiosa com suas obras, pois adoro um bom romance policial. Mesmo a resenha ressaltando muitos pontos negativos, quero muito ler o conto e as demais obras da autora. Adorei a resenha!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?
    Gostei bastante da sua resenha, e a premissa é bem curiosa.
    Achei as duas opiniões muito legais, a ideia é genial, pois temos visões diferentes da mesma obra.
    Anotei a dica! Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Olá!

    Premissa bem curiosa, que me deixou com vontade de ler. Arrisco dizer até que, se melhor trabalhado, poderia até virar um livro completo. A capa não gostei, pois, por mais que se passe no carnaval, ela está alegre demais, não remetendo exatamente a um policial.

    ResponderExcluir
  8. Oie!
    Adorei essa resenha dupla de vocês.
    Concordo com o Gustavo, eu também não gostei da capa. Confesso que não pensei muito no que essa história traria e fiquei um pouco surpresa e acho que a Nu está certa, esse conto poderia ser um livro, pois ele parece ser muito instigante e bem escrito.
    Vou anotar a dica, pois acho que vale super a pena.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oie amore,
    NOSSSAAAA que capa mais lindaaa... no entanto, o título não me interessou muito não.
    Até curto literatura policial, mas não me chamou muito a atenção, então passo a dica.
    Mesmo você dando tantos elogios ao livro, dessa vez não vou anotar a dica não amore!
    Beijokas!

    ResponderExcluir
  10. Oi Nuccia!
    Tenho procurado por bons livros policias para ler, gosto muito do estilo mas como já li vários acabo não me surpreendendo mais com o enredo. Amei a história desse livro e quero ler, com certeza. Também a resenha em dupla, é uma delícia resenhar com um amigo né?
    Bjs!

    ResponderExcluir

Seja legal: aumente nosso ego deixando seu comentário!
Mas, ei! Cuidado aí! Sem comentários ofensivos!
Um imenso obrigado de todos nós!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...