menu

Destaques

sexta-feira, 7 de julho de 2017

0 Resenha [livro] - Máscara, de Luiz Henrique Mazzaron

Alou, pessoas!

Estamos quase, QUASE no meio do ano e noooossa! Como ainda tem resenha pra postar!!

Ainda bem, né!

Assim sendo, vamos ao prato do dia? Resenha de livro nacional!

Partiu conhecer o livro Máscara: a via não é um jogo, primeiro livro a ser publicado pelo autor parceiro Luiz Henrique Mazzaron, via Novo Século Editora.

Máscara: a vida não é um jogo
Série Máscara - vol. 1
Autor: Luiz Henrique Mazzaron
Editora: Novo Século
Gênero: juvenil / suspense / terror
Ano: 2013
368 p.



*Livro do acervo pessoal do/a blogueiro/a.*

Sinopse:
No mundo de Domus, a morte é a moeda que alimenta o jogo. E a verdade pode custar a vida. Liam é um garoto que viveu por muito tempo isolado devido aos constantes castigos do sádico tio, um carrasco ex-militar. Porém, inesperadamente, surge uma entidade maléfica, uma figura das trevas trajando uma máscara, e passa a o perseguir, levando-o a participar de um jogo num mundo surreal, chamado Domus. Junto a um grupo, Liam parte para uma experiência alucinante, em que os pecados da humanidade serão colocados em xeque, como numa espécie de julgamento. Um combate onde o principal objetivo do adversário é mostrar o quão odiosa é a raça humana… Mas ainda há muitos mistérios que rodeiam este intrincado jogo. Por qual motivo a criatura possui tamanha obsessão por ele? E vale a pena prosseguir, já que a morte é a única certeza?




Desde a mais terna idade que Liam sofre para se manter vivo. Mas agora, sua vida é mais preciosa e está em jogo, literalmente!

Em Máscara, logo nos primeiros capítulos ficamos chocados com o que um homem pode fazer a uma criança. Liam perdeu seus pais ainda bebê e foi "criado" por seu tio. Após uma denúncia, o "digno" senhor recebe uma visita da assistente social a quem termina por trucidar. E Liam, com apenas 6-7 anos de idade, assassina seu tio em legítima defesa.




"Antes de fechar a porta, viu a imagem de sua salvadora, sua melhor amiga. Viu quando ela se lançou em direção a seu tio com algo nas mãos. Aquela imagem nunca mais sairia de sua mente, um anjo enfrentando um demônio."

Contudo esse nem é o maior choque desse primeiro capítulo. Ahá... O morto se ergue e... acaba por iniciar uma caçada ao garoto, ao pequeno Liam, sem se importar em deixar vítimas pelo seu caminho. E não foram poucas.

A história começa a se desenvolver mais a partir daí, a ação e a loucura não param. Tentando salvar o garoto dessa perseguição alucinada, os policiais invadem um orfanato, perdem companheiros e um deles, o detetive Craig, foge para uma casa em outra região, levando consigo Liam e pessoas inusitadas a tiracolo, todas conectadas de alguma forma.


"Carla tremeu, mas não era pelo frio do fim da tarde. O corpo estava ali. Deitado na mesma posição em que estava antes da perícia o remover, completando o contorno branco como uma peça de quebra-cabeça. Como era possível?"

Então a história dá um salto de 10 anos e as coisas começam a degringolar novamente. Uma das freiras sobreviventes ao massacre no orfanato desaparece. A adolescente que fugiu com eles começa a agir de forma estranha. Liam começa a ver as Máscaras novamente. É ele, aquilo que o persegue... E não deu outra.



Uma leve bobeira com uma adolescente e Liam cai nas garras Dele. Essa Entidade maléfica que cria, comanda todo um jogo de vida ou morte. Que exige jogadores exímios e os observa a cada segundo. E nesse jogo, acontecendo em um mundo paralelo chamado Domus, além de conhecer, salvar e matar pessoas, Liam terá de enfrentar a si mesmo.


"Voltou à casa do menino para pensar em uma estratégia e o que encontrou? Uma isca perfeita. (...) A mulher se debatia, mas a cola industrial a deixaria no lugar. Agora podia seguir o rastro do menino."


A edição? Bem, o livro é um daqueles com edições simples, sem nada espalhafatoso. Tamanho americano (ligeiramente maior que o A5, o mais comum), folhas amareladas, margens justificadas. Achei as fontes um pouco pequenas demais, mas eu sou meio cegueta. Dividido em seis partes que mostram passar do tempo e mudança de local, com a revisão boa, tem um senhor orelhão.



A capa é uma ilustração representativa, com aspecto sombrio. Descrição #pracegover: Mostra um jovem ou um homem (não dá pra saber a idade) em um porão com paredes de pedras. Há uma escadaria pequena que leva à parte de cima e o homem está entre ela e a entrada para um túnel estranho. A luz que ilumina o porão é esverdeada. O homem e o restante da capa estão em preto. O título está em branco na parte superior em letras de alto relevo.

Agora, o gran finale: minha opinião! Eu sou toda errada e comecei a ler os livros do autor pela segunda publicação. Assim, é até meio bizarro fazer comparações, porém não há como negar que o Luiz amadureceu muito entre a escrita de Máscara e O Sol Perdido. Como sou fã dos dois gêneros (terror e fantasia, respectivamente), talvez fosse difícil escolher entre ambos, mas posso afirmar com convicção que O Sol Perdido, pra mim, foi uma leitura melhor!


"Meu nome é Liam e não sei como vim parar aqui, só sei que essa coisa me persegue há anos. (...) Por favor, confiem em mim... - Liam foi interrompido por um som alto vindo do abismo. Algo estava saindo dele."

Não que Máscara não seja bom! Pelo contrário! É um ótimo livro, tem um clima de suspense muito bacana, me lembrou uma mistura de filmes e livros de terror que adoro, incluindo O Albergue, Jogos Mortais, Desespero, A Volta dos Mortos Vivos, etc. A história é bem estruturada, que explora o que há de pior no ser humano de forma inteligente, constrangedora e manipuladora. É um livro com muita ação desde as primeiras páginas, porém...


Em alguns momentos os diálogos são superficiais, especialmente no começo do livro. Parece que os personagens falaram por falar. E apesar de ter personagens de todas as idades, sendo maioria jovens e adultos, o livro tem uma pegada juvenil, é a forma como ele está escrito que parece dar essa impressão. Então, por conta disso, eu não senti tanto terror, era mais pra jogo de inteligência, tortura mental, psicológico. Se bem que tinham uns zumbis que...

Eu, particularmente, adorei a ideia, o mote principal do livro de um assassino sobrenatural que assume a vida e até o corpo das pessoas como uma "Máscara", mas fiquei um pouco chateada por não descobrir, afinal, quem ou qual entidade está por trás dela. Já explico por quê:

Eu estava feliz e contente até terminar o livro e... descobrir que não tem final! Este é só o primeiro volume!! Como assim??


Fiquei: "será que eu entendi errado? Porque, tipo, o livro para no meio do suspense, os personagens ainda tem muitas provações, com por exemplo, saírem de onde estão!"

Aí, montando a resenha, eu fui ler a biografia do autor e vi que fui enganada é isso mesmo! Este é o primeiro livro eu sou uma anta lerda rsrsrs.

No mais, é um bom livro e tenho certeza que o Luiz irá caprichar no novo volume! E será tão bom quanto este! Aos leitores do sombrio que gostem de um pouco mais de ação, este livro é perfeito!



Sobre o AUTOR:

Estudante universitário da UFABC, Luiz Henrique Simão Mazzaron nasceu em São Bernardo do Campo, mas viveu toda sua vida em Santo André, São Paulo, com os pais, avós e um verdadeiro mini-zoológico no quintal. No ensino médio, encontrou na literatura estrangeira uma paixão e se arriscou a mergulhar nas letras. Apaixonado por livros, videogames e filmes/séries, teve seu primeiro livro lançado em 2013: 'Máscara - A vida não é um jogo', primeiro volume da série de terror Máscara. E, usando da experiência adquirida e do fascínio por RPG's, resolveu abraçar também a ficção fantástica com O Sol Perdido.


Enfim... Apesar do "susto", foi uma ótima leitura!

Espero que vocês curtam como eu! Quem já leu, comenta aí!

Boa leitura a todos! Até + ver!






Nuccia De Cicco é bióloga, Doutora em Bioquímica, escritora, poetisa, bailarina e blogueira. Carioca de paixão de Santa Teresa, é apaixonada por livros, seriados, tatuagens e lambidas caninas, além de ter uma queda saudável por cafajestes. Surda desde os 27 anos, é co-autora em nove antologias e publicou o livro “Pérolas da minha surdez”, uma obra sobre luta e força de vontade. Todas as suas facetas são mostradas no blog “As 1001 Nuccias”. Nele, a literatura impera!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja legal: aumente nosso ego deixando seu comentário!
Mas, ei! Cuidado aí! Sem comentários ofensivos!
Um imenso obrigado de todos nós!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...